NOSSAS NOITES

 

 

Filmes e séries geralmente retratam os idosos como caricatos, fazendo pouco caso de suas habilidades e tratando o envelhecimento em tom de chacota. Talvez seja a forma de lidar com o medo do envelhecimento, presente em quase todos nós. Dias atrás encontrei uma frase -que considerei muito bem humorada -de Edna Ferber que dizia: “ Envelhecer é como morrer afogado: uma sensação deliciosa, depois que você para de se debater.” Hoje trago uma dica para quem gosta de ver os idosos em sua melhor forma. Aceitando o envelhecimento com suas dores e delícias!

Recentemente a Netflix adaptou para as telas o livro “Nossas noites”, de Kent Haruf, trazendo Jane Fonda e Robert Redford em grandes atuações.  Addie faz uma visita inesperada a seu vizinho, Louis . Viúvos, os dois lidam diariamente com noites solitárias em suas grandes casas vazias. Addie propõe a Louis que ele passe a fazer companhia a ela ao cair da tarde para ter alguém com quem conversar antes de dormir. Embora surpreso com a iniciativa, ele aceita o convite. A vizinhança fofoca, os familiares querem dar palpites. Aos poucos, os dois percebem que manter essa relação peculiar talvez não seja tão simples quanto parecia. O filme retrata com ternura e delicadeza o envelhecimento, as segundas chances e a emoção de redescobrir os pequenos prazeres da vida — que pode surpreender e ganhar um novo sentido mesmo quando parece ser tarde demais.

 

Resultado de imagem para nossas noites

Anúncios

O PAPEL SEGUE FIRME

EBOOK

A revista Veja desta semana  trouxe uma matéria em que fala sobre a gigante Amazon e o lançamento de sua loja  de eletrônicos  no Brasil.  Destaca o fato de que no mercado de livros, o papel segue firme: “há dez anos , quando a Amazon lançou seu leitor digital, muitos profetizaram  que era o fim da indústria editorial tal qual a  conhecíamos, pois haveria um grande abalo com uma queda drástica na venda de livros físicos. O vaticínio não se concretizou. De 2014 para 2016, as vendas de e-books só caíram. No Brasil , representam  em torno de 1% do total das vendas. As vendas de livros em papel, enquanto isso, acumulam quatro anos seguidos de alta no mercado americano. O desinteresse pelos digitais é visto  como uma resposta do público  a um excesso de aparelhos eletrônicos   em sua vida, que já estão gerando malefícios físicos, como o aumento dos casos de miopia. Uma das estratégias das editoras foi aumentar a velocidade de produção das obras, permitindo que os títulos cheguem rapidamente às estantes. Trabalhar com obras esteticamente mais bonitas, com capa dura, também  atraiu mais consumidores.”

Sempre sou questionada se acho que as pessoas ainda leem. É claro que acho! O livro nos faz embarcar em outro ritmo, bem diferente do que vivemos a maior parte do dia. E , ainda que o texto seja o mesmo, um e-book  não mexe tanto com nossos sentidos. Tato, olfato, visão são embalados pelo papel. Leia sempre, pois ler nunca vai sair de moda. Eu aposto.

DIA DAS CRIANÇAS

dedo verde

O dia das crianças passou há poucos dias. Logo estaremos com as vitrines forradas de sugestões para o Natal.  Entre brinquedos, celulares, aquele dinheiro para comprar um jogo ou outros videogames (sempre tem um sendo lançado), será que um livro ainda agradaria como presente? A leitura ainda tem muito fôlego entre crianças e adolescentes, sim. Vamos a algumas sugestões? Assim você incrementa aquele presente tecnológico com um belo livro.

  1. O menino do dedo verde, Maurice Druon – Era uma vez Tistu, um menino diferente de todo mundo. Onde seu dedo tocava, cresciam plantas e flores. As proezas de seu dedo verde eram um segredo entre ele e o jardineiro Bigode. Trata de questões como cidadania, ética, conceitos de convívio social, além de ter sido pioneira em tocar no tema da ecologia.
  2. A invenção de Hugo Cabret, Brian Selznick –  Hugo Cabret é um menino órfão que vive  escondido na central de trem . Conhecendo passagens secretas, Hugo cuida dos relógios do local. Sua sobrevivência depende do anonimato: ele guarda um enorme segredo que é posto em risco quando donos de lojas do local descobrem sua presença.
  3. O balão amarelo, Lucilia Junqueira de Almeida Prado – Conta a historia de dois jovens que, entediados durante as férias, fazem uma proposta maluca à sua avó: costurar um balão para que os gatos dessem um pequeno passeio pelos céus. Algo inesperado acontece e todos acabam voando, sendo levados em direção à selva e às mais inesperadas

A QUE HORAS VOCÊ LÊ?

coelho

Muitas pessoas me dizem que não conseguem ler, pois caem no sono logo após as primeiras tentativas. Meus filhos dizem isso seguidamente. Você acorda,, espera em filas, consultórios, transporte público quase sempre olhando seu celular. Jogando, batendo papo nas redes sociais. Em seu tempo livre, a televisão é  soberana. Afazeres domésticos se multiplicam como mágica. Fora as muitas horas de trabalho propriamente dito. A rotina nem sempre é fácil, todos sabemos. E , quando , exaustos, deitamos em nossas camas queremos colocar a leitura em dia. Pouco provável que mantenhamos a atenção, não é mesmo? Por melhor que seja o livro, nosso corpo pede descanso.

Por que não aproveitarmos  um pouco do nosso horário de lazer ou tédio para ler? Com o cérebro menos cansado, garanto que a leitura irá fluir  e te prender com muito mais facilidade. Você, leitor de jornal, já deve estar um passo a frente.  Em minha opinião, nossas famílias vivem muito agitadas, dormindo tarde e acordando cedo. Sempre ocupadas e em um ritmo frenético desnecessário, como cães correndo atrás do próprio rabo. A leitura pode ser um elixir poderoso para nos acalmar, nos afastar das notícias ruins e estimular a nossa criatividade. Não a deixemos para os últimos minutos do dia. Ela merece mais destaque em meio a nossas atividades. A saúde mental agradece.

FRANKENSTEIN

frank

Mary Shelley casou-se com o poeta Peter Shelley aos 17 anos, logo após ele ficar viúvo. Em suas viagens com amigos gostavam de discutir  teorias a respeito do sobrenatural. Contam que certa vez Mary relatou aos amigos o sonho que teve na noite anterior: uma criatura horrível dava sinais de vida quando se ligava uma maquina potente a ela. A conversa se estendeu pela madrugada, versando sobre fantasmas e vampiros.  Por fim, todos aceitaram o desafio proposto por um dos amigos: cada um deles deveria escrever uma historia sobrenatural e submetê-la a julgamento. Assim nasceu uma das historias mais conhecidas por todos nós, Frankenstein. O que teria sido uma brincadeira para entreter amigos tornou-se um grande clássico.

Resgatado á beira da morte por um navio, o cientista Victor Frankenstein narra sua historia ao Capitão:  ainda estudante, descobriu como dar vida a corpos inanimados e  construiu um ser gigantesco. Assim que atinge a sua meta, percebeu o erro que cometeu e acabou abandonando a sua criação.
A criatura sobrevive e se refugia junto a uma família, onde aprende a falar, entender  os sentimentos dos humanos e perceber que não os tem. Para se vingar, persegue seu criador exigindo uma companheira.

Segundo matéria na revista Superinteressante, Mary Shelley criou uma obra  que questiona a moralidade e a responsabilidade da ciência. O tema não perdeu sua atualidade: pesquisas com células tronco e clonagem, por exemplo, continuam  temas muito polêmicos. O livro tem várias adaptações para o cinema e continua sendo uma das obras mais lidas no mundo.

DEVAGAR

DEVAGAR

A pressa é inimiga da perfeição. Em seu livro “Devagar”, Carl Honoré  nos mostra como um movimento mundial está desafiando o culto da velocidade. Queremos explorar ao máximo nosso tempo, seja dirigindo, comendo, trabalhando, namorando, nos divertindo ou criando filhos. A cada nova tecnologia que nos chega, pensamos que teremos mais tempo livre, mas o que conseguimos? Mais invasão e inconveniência. Notificações apitando o tempo todo, aquele celular que toca em qualquer horário. Como cães adestrados, atendemos ao apito do nosso mestre a toda hora. Será possível  termos um pouco menos de pressa? Afinal  não estamos matando tempo, o tempo é quem nos mata.

Com dez capítulos abordando da comida à musica (muito interessante a análise que faz do andamento da musica clássica executada  cada vez mais rápido a fim de comprovar o virtuosismo de alguns interpretes), da criação de filhos ( pais exigindo tarefas demais das escolas , crianças com agendas lotadas) à formação de universitários, da medicina  às vantagens de trabalhar menos, do lazer ao transito que mais parecem corridas , inclusive em cidades pequenas como a nossa. Uma bela e muito bem fundamentada  reflexão para quem quer viver menos acelerado e mais equilibrado, criativo, produtivo e saudável, descobrindo energia e eficiência onde menos espera. Em Sob pressão- nenhuma criança merece superpais, o mesmo autor desvenda a preocupação excessiva  com o desempenho infantil em um mundo cada vez mais competitivo.

DEVAGAR, Carl Honoré. Editora Record

SOB PRESSÃO- nenhuma criança merece superpais, Carl Honoré, Editora Record.devagar

QUEM CONTA UM CONTO…

clarice

Quem conta um conto, aumenta um ponto. Vale para o vizinho que sofreu uma queda sem maiores consequências e que, na boca do povo, acabou tendo um AVC, estava a beira da morte ou até já havia passado desta para outra melhor. Se acontece até no boca a boca, imagine em  nossa amada internet, onde em um clique propagamos notícias falsas, fotos com montagens “comprovando” o fato e tudo o mais que a imaginação e a maldade permitirem. Quem tem mais malícia percebe logo, mas ninguém esta livre de cometer uma injustiça propagando fatos, fotos e frases que depois parecem até piada.

Quem nunca leu a célebre frase atribuída a Albert Einstein (e a mais uma meia dúzia de pessoas): ”O único lugar em que o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário”?  Só que Einstein falava alemão como língua principal! E mesmo que alguns digam que ele falava também inglês e outras línguas, é pouco provável que não levasse em conta que as palavras  alteram sua ordem no dicionário dependendo do idioma.

Papa Francisco, Caio Fernando Abreu e principalmente Clarice Lispector são as  vítimas preferidas de nossas redes sociais. Às vezes extravasam os textões no Facebook e vão parar em agradecimentos de teses, monografias, trabalhos de conclusão de cursos, convites de casamento. Como saber se uma citação é verídica? Pesquisar e ter amigos críticos e bem informados são algumas das saídas. E também não se levar muito a sério, afinal tudo vale a pena se a alma não é pequena!

340 LIVROS

rory

Os fãs de séries com certeza conhecem Gilmore Girls. Em português também chamada de “Tal mãe, tal filha”, é ambientada em uma pequena e cativante  cidade dos Estados Unidos. Lorelai é uma  mãe solteira que tem como melhor amiga e confidente sua filha, uma menina superinteligente  que tem o sonho de cursar jornalismo em Harvard e ser correspondente internacional. Recheada de personagens  e diálogos interessantes, conta  com  nada menos que 340 referências a livros  durante suas temporadas.  Rory Gilmore diz viver em dois mundos, e um deles é o mundo dos livros. Em muitas cenas ela está envolvida no mundo literário. Lendo, comprando, organizando ou falando sobre os seus livros. Estava sempre lendo mais de um livro –  tinha um em casa, na faculdade, na bolsa. Até em um baile de formatura foi flagrada com um livrinho na bolsa, caso a festa ficasse chata. Garota esperta.

A  extensa e eclética lista se transformou até em um desafio  literário. Você encontra facilmente a lista completa na internet, procurando por desafio Rory Gilmore. Alguns destaques são: “ 1984”, de George Orwell, “Cem anos de solidão”, Gabriel Garcia Marquez, “Admirável mundo novo”, Aldous Huxley, “Frankenstein”, Mary Shelley, “A metamorfose” de Kafka. “ Filha da fortuna” e “Eva Luna”, de Isabel Allende, “O código da Vinci”, Dan Brown, “Harry Potter” , J.K. Rowling, “O morro dos ventos uivantes”, Emily Bronte. Nas leituras dessa querida personagem  você com certeza encontrará inspiração, confira a lista completa e me conte por e mail.

Walden

THOREAU EM BUSCA DA ESSÊNCIA DA VIDA

Resultado de imagem para walden thoreau

Em 1845, desgostoso com o crescente comercialismo da sociedade americana, Thoreau deixou sua cidade natal para instalar-se a beira do lago Walden. Publicado  em 1854 com o título Walden ou A vida nos bosques, o livro é o relato do tempo  em que seu autor viveu isolado da sociedade dos homens, suprindo as suas próprias necessidades, estudando, contemplando a natureza e conhecendo a si mesmo.

Como disse Eduardo Bueno, Thoreau foi uma espécie de Julio Verne que, em vez de descrever as maravilhas do futuro, anteviu os desatinos de um modelo desenvolvimentista que nunca levou em conta a preservação da natureza. Previu o advento de um consumismo viciante, viu os tempos em que a privacidade se tornaria um bem descartável. Preferiu se retirar para trocar as penas. Junto aos patos, longe dos lunáticos. Mesmo tantos anos depois,  e com todo o apreço que tinha pela solidão, Thoreau continua nos convidando hoje para nos unirmos a ele em sua cabana e discutir temas que continuam atuais.

“Não se incomode muito em ter coisas novas, sejam roupas ou amizades. Torne-as do avesso, retorne a elas. As coisas não mudam, mudamos nós. A humildade, tal qual a escuridão, revela as luzes celestiais. É a vida perto do osso a mais doce. “

“Aprendi com minha experiência :se o homem segue confiante rumo aos seus sonhos e se empenha em viver a vida que imaginou, ele terá sucesso inesperado em momentos comuns. Deixará coisas para trás, cruzará fronteiras invisíveis. A medida que  simplifica sua vida, as leis do universo se mostrarão menos complexas”

Walden – H.D. Thoreau . L&PM Pocket,2011 .

Harry Potter

potter

Em 2017 a saga  Harry Potter comemora 20 anos de  lançamento. Estou relendo todos os livros  durante esse mês, e obviamente mergulhada e maravilhada com o universo de Hogwarts e toda a sua magia. Como a própria autora disse em seu Twitter: “Vinte anos atrás  um mundo onde eu vivia sozinha foi aberto repentinamente para os outros. Tem sido maravilhoso. Obrigada”.

Com uma distribuição inicial muito pequena,  o primeiro livro da série passou quase despercebido. Nas sessões de leitura, a autora recebia pouquíssimas pessoas. O sucesso não demorou e logo a obra era disputada por várias editoras. Segundo o blog da Estante virtual, o processo de criação da autora foi baseado em algumas tragédias pessoais como a morte de sua mãe, depressão, desemprego e divórcio.  Os dementadores, guardas da prisão de Azkaban  que tem o poder de sugar toda a alegria e energia de quem está perto e fazê-lo lembrar das piores experiências vividas são uma representação física da sua depressão.

A editora sugeriu que a autora não usasse seu primeiro nome, Joanne,  com medo que o fato de ser mulher afetasse as vendas. Então, se tornou mundialmente famosa como J.K. Rowling. Toda uma geração foi influenciada e  despertou o amor pela literatura  começando pelas aventuras de Harry Potter. Oito filmes, sete livros , vinte anos ,muita aventura e fantasia se passaram. O bruxinho mais amado da literatura não dá mostras de cansaço e não será esquecido tão cedo. Vale ler e reler sempre que quiser sonhar.